Natal e 13º: confira quais os planos dos consumidores das classes A e B

  • 08/nov/2019

A data mais esperada do comércio está chegando. E como de costume, o Natal deverá movimentar bilhões na economia do país. E boa parte destes recursos em Minas Gerais deverão vir dos consumidores das classes A e B. Pelo menos é o que aponta a pesquisa realizada pela Federação das Câmaras Dirigentes Lojistas do estado.

 

 

De acordo o levantamento realizado pela FCDL-MG, dentre os entrevistados, 53% deverão gastar entre R$ 500 e R$ 1500 neste Natal. O valor contempla presentes e produtos para a ceia e festividades.

 

Para Vinícius Carlos, economista da FCDL-MG, isso é reflexo do “atual cenário econômico que foi estimulado pela inflação baixa, pelos juros baixos, pelos maiores prazos de crédito para o consumidor, pela liberação de recursos como Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) e Pis/Pasep e a ínfima recuperação do mercado de trabalho”, afirmou.

 

Quando irão comprar?

 

Embora seja fundamental já estar preparado, afinal 13% dos consumidores entrevistados devem começar as compras já em novembro, a grande maioria deverá mesmo deixar as compras para o mês do Natal. De acordo com a pesquisa, 79% dos entrevistados comprarão em dezembro, enquanto 9% ainda tentará alguma promoção em janeiro de 2020 para fazer suas compras.

 

Quanto pretendem gastar?

 

TICKET

 

A liberação do FGTS e do Pis/Pasep, que injetou na economia recursos na economia cerca de R$ 42 bilhões do FGTS em parcelas individuais de até R$ 500 e cerca de R$ 2 bilhões em recursos do PIS/Pasep, somado ao bom comportamento das variáveis macroeconômicas, estimularam as comemorações que a muito tempo ficaram reprimidas por causa das inseguranças políticas e demora na aprovação das reformas. ”, afirmou Vinícius Carlos.

 

Qual a forma de pagamento mais utilizada?

 

FORMA DE PAGAMENTO

 

“Os consumidores não querem se endividar e isso é um ponto positivo que evidencia que, principalmente as classes A e B estão seguindo rigidamente um planejamento financeiro que visa a segurança familiar”, destacou o economista da Federação.

 

O que pretendem comprar?

 

“Os entrevistados informaram que irão reduzir o número de presentes, contudo, serão presentes com maior valor agregado. O consumidor, mesmo os de classes sociais mais elevadas, está racionalizando seu padrão de consumo e está mais disposto a experimentar outros produtos, outras marcas e novidades. Para tanto, o vestuário figura em primeiro lugar na lista de preferências dado a sua gama de opções. E, como se trata de Natal, não pode faltar os brinquedos. Esses consumidores deixaram bem claro que irão pesquisar e aproveitar as melhores oportunidades que os lojistas oferecerão para o período.”, avaliou.

 

13º Salário

 

13º SALÁRIO

 

Até dezembro de 2019, o pagamento do 13º salário deve injetar na economia brasileira mais de R$ 214 bilhões. Este montante representa aproximadamente 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e será pago aos trabalhadores do mercado formal, inclusive aos empregados domésticos; aos beneficiários da Previdência Social e aposentados e beneficiários de pensão da União e dos estados e municípios.

 

Cerca de 81 milhões de brasileiros serão beneficiados com rendimento adicional, em média, de R$ 2.451. As estimativas são do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

 

Mas apesar de ser associado aos gastos com o Natal, o 13º salário das classes A e B este ano em Minas deverá ir principalmente para as férias (28%) ou para alguma aplicação (24%). Apenas na terceira posição, junto com pagamento dos compromissos de janeiro, vem as compras de Natal (16%).

 

“As classes A e B especificamente, diversificaram seus investimentos e, caso cheguem a resgatar seus investimentos, irão ter lucros acima de 30% por colocarem seu capital em um ativo de risco, como ações da bolsa de valores. Vale ressaltar que, para operar em bolsa de valores é preciso conhecimento, o que eles têm acesso e buscam”, avaliou Vinícius.

 

Decisão de compra

 

DECISÃO DE COMPRA

 

Ainda de acordo com a pesquisa, os consumidores deste nicho valorizam preço e atendimento antes de fechar qualquer negócio. Por isso, invista em treinamento e capacitação para que sua equipe esteja apta para atender o seu cliente da melhor forma possível.

 

Oferecer descontos e preços justos também é essencial. Nada de superfaturar os valores dos produtos para aproveitar a alta procura por mercadorias neste período. Ao aliar esses dois fatores você pode conquistar o que falta para fazer aquele consumidor se tornar um cliente fiel da sua empresa.

 

Vinícius afirma ainda que “os consumidores das classes A e B possuem mais acesso a informações e aproveitam esse conhecimento para se organizarem e assegurar a manutenção do seu poder de compra realizando investimentos diversos”.

 

Black Friday como termômetro

 

Uma boa dica para chegar preparado para o Natal é usar a Black Friday como um teste. A promoção de novembro começou a ganhar destaque no Brasil e este ano dividirá os holofotes da internet com as lojas físicas.

 

Aproveite a oportunidade para testar o que dá certo ou não para seu negócio. Coloque produtos em promoção, capacite sua equipe e espere os resultados. Depois é só analisar o que funcionou bem ou não e manter para o Natal as táticas que trouxeram retorno para sua empresa.

 

“Para o sucesso dos negócios neste momento econômico, a dinâmica das vendas exigirá inteligência e estratégia para maximizar o faturamento e, consequentemente, o giro do estoque. Se faz necessário, urgentemente, um planejamento estratégico focado na recuperação da saúde financeira das empresas e na reestruturação de seus planos de investimentos. Somente com a construção pautada no conhecimento da gestão, as empresas poderão prever a hora certa para agir e, com isso, tentar superar os obstáculos impostos pelas externalidades” concluiu.

 

Fonte: FCDL MG

Compartilhe: